Renda Variável

Uma ação é a menor parte do capital de uma empresa, é um pequeno pedaço dela. Uma pessoa que compra uma ação passa a ser uma sócia da empresa. Existem basicamente dois tipos de ações: Ordinária(ON) – dá direito a voto em assembleia sobre definições da empresa, e Preferencial(PN) – não dá direito a voto, mas preferência no recebimento de dividendos. As empresas dividem seus lucros com os acionistas. Algumas fazem isso mensalmente, outras trimestralmente.

As ações são negociadas nas Bolsas de Valores. No Brasil, a compra e venda de ações acontece na BM&FBovespa. Essas negociações são feitas por meio das corretoras habilitas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Vantagens de investir em ações:

  • Alto potencial de rentabilidade;
  • Diversificação para suas aplicações;
  • Você se torna sócio da empresa, e tem direito a distribuição de lucro através dos dividendos;
  • Liquidez;
  • Oportunidades de curto prazo.

Visite o site da BM&F Bovespa: www.bmfbovespa.com.br.

Os Fundos Imobiliários são condomínios de investidores, semelhantes aos fundos de ações e renda fixa, administrados por instituições financeiras e fiscalizados pela CVM. Têm por objetivo aplicar recursos no desenvolvimento de empreendimentos imobiliários ou imóveis prontos, como hotéis, shopping centers, edifícios comerciais, escolas, loteamentos etc. Do patrimônio de um fundo, podem participar um ou mais imóveis, parte de imóveis direitos a eles relativos, entre outras opções. Por serem fundos fechados suas cotas não têm resgate e a única forma de negociação é através da Bolsa ou do Balcão Organizado (SOMA).

Da mesma forma que as ações são um pequeno pedaço de uma empresa, as cotas de FII são pequenos pedaços de imóveis, tais como hotéis, shopping, edifícios comerciais, entre outros. Você pode ganhar tanto com a valorização da cota quanto com os dividendos que entram mensalmente na sua conta, como se fossem o valor do aluguel. E o melhor, há incentivo fiscal para pessoa física, pois o aluguel distribuído é isento de Imposto de Renda. Além de poder iniciar os investimentos com cerca de R$ 100,00, você protege o poder de compra do seu dinheiro, visto que grande parte dos contratos dos fundos são corrigidos pela inflação do período.

Objetivo: auferir ganhos mediante locação, arrendamento ou alienação das unidades do empreendimento adquirido pelo fundo.

Rendimento: o retorno do capital investido se dá através da distribuição de resultados provenientes do fluxo mensal dos aluguéis, da venda de ativos que compõe o fundo, da venda de suas cotas no mercado secundário ou da dissolução do fundo.

Vantagens de se investir em FIIs – Fundos de Investimento Imobiliário:

  • Acessibilidadenos fundos reúne: os vários investidores que, somados, representam um volume de investimento importante, possibilitando adquirir participações ou mesmo imóveis inteiros antes inacessíveis a investidores individuais.
  • Acesso a inquilinos ou atividades de primeira linha: os fundos imobiliários brasileiros são proprietários de grandes shopping centers, empreendimentos dentro dos melhores do país no setor varejista, além de possuírem imóveis locados a inquilinos de excelente qualidade.
  • Praticidade: para se vender um imóvel, por menor que seja, há necessidade de se obter uma série de certidões, anuência do cônjuge, além de custos caros de corretagem, cartório, ITBI, etc., num processo moroso e caro. As cotas dos Fundos Imobiliários que são alvo dos investidores pessoa física são negociadas na BOVESPA, cuja negociação é rápida (uma vez fechado negócio, o vendedor recebe seu dinheiro em D+3, ou seja, no 3º dia útil após o dia da venda) e sem qualquer burocracia, desde que as cotas estejam depositadas junto à corretora de valores que representa o vendedor.
  • Fracionamento: se um proprietário de um imóvel necessita de recursos para uma viagem, por exemplo, e só possui um imóvel, terá que vendê-lo, mesmo que o valor que necessite seja parte do valor que estava investido no imóvel. Com cotas de um fundo imobiliário basta vender somente o montante necessário. Por outro lado, se um investidor recebe a renda de um fundo imobiliário e não vai necessitar destes recursos, pode comprar mais cotas deste fundo ou de outro; com imóveis, da forma tradicional, isto não é possível.
  • Transparência: a negociação das cotas num mercado organizado e transparente como o da BOVESPA traz a segurança de que se está fazendo um negócio pelo melhor preço possível no momento, já que todo o mercado tem a informação do que está ocorrendo, bem como das ofertas de compra e venda.
  • Terceirização da administração: ter cotas de um fundo imobiliário é não ter que administrar diretamente o investimento imobiliário feito, missão que é desempenhada por profissionais do mercado, fiscalizados e sob a responsabilidade de uma instituição financeira administradora.

O ouro (do latim aurum, "brilhante") é um elemento químico, conhecido desde a Antiguidade, utilizado de forma generalizada em joalharia, indústria e eletrônica, bem como reserva de valor. Ganhou destaque pela sua propriedade resistente à oxidação e corrosão, não reagente a maioria dos produtos químicos e boa condutividade. Com um grama de Ouro é possível obter um fio de 3km de extensão.

Utilidade do Ouro:

  • Indústria tecnológica: Celulares, televisão, comunicações, motores de aviação, fotografia;
  • Saúde: tratamento dentário, contra artrose, câncer, cancro;
  • Cosméticos, joias;
  • Reserva de valor, moeda.

Vantagens de investir em Ouro:

  • Possui valor real tangível,valor útil;
  • Demanda crescente (reserva de Bancos centrais, como aumento da renda demanda por bens e joias);
  • Bem finito,raro,praticamente indestrutível;
  • Reserva de Valor durável;
  • Não sujeito a flutuações inflacionárias dos papeis moeda;
  • Lastro seguro;
  • Aceito internacionalmente, liquidez garantida;
  • A BM&FBOVESPA oferece, no mercado disponível (à vista), contratos com lotes de 250g, 10g ou 0,225g de ouro com teor de pureza de 0,999.

A compra e a venda de moeda estrangeira são realizadas por instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central. As aplicações são feitas de acordo com a taxa de câmbio, que é o valor de uma moeda em relação à outra. As taxas praticadas no Brasil são estabelecidas pelos bancos ou agências e definidas segundo a oferta e a demanda da moeda. As taxas são atualizadas diariamente e podem ser consultadas no site do Banco Central, onde também é possível fazer a conversão de moedas.

No Brasil, a moeda mais negociada é o dólar norte-americano. Para cada aplicação, ocorre uma taxa de conversão diferente. O Dólar Comercial é utilizado para transações de comércio exterior, entrada e saída de recursos, transações financeiras feitas pelo governo com países estrangeiros, quando algum brasileiro que mora no exterior realiza empréstimos registrados no Banco Central, dentre outras situações.

Já o Dólar Turismo é utilizado para balizar valores de passagens, compras no exterior feitas por cartão de crédito ou débito, ou outras operações de turismo. Não há limite de transações com o Dólar Turismo, mas a legislação brasileira não permite que seja utilizado como poupança. Se o valor a ser comprado ultrapassar R$ 10 mil, deve ser declarado à Receita Federal.

Outra opção é o Fundo Cambial em Dólar, que consiste no investimento feito na moeda norte-americana por meio de títulos emitidos por bancos e empresas e ativos relacionados à variação da moeda. O Fundo Cambial não corresponde exatamente à cotação do dólar, pois cobra uma taxa de administração de 1% a 3% ao ano, além de Imposto de Renda, que varia de 15% a 22,5%, conforme o período de investimento, além da variação da taxa de juros.

ATENÇÃO: O mercado de ações e valores mobiliários em geral, assim como os mercados futuros e de opções, não oferecem rentabilidade garantida. Por não oferecer garantia de retorno, devem ser considerados investimentos de risco.